O amor nos tempos do Coronavírus: uma crônica dos relacionamentos reinventados

O amor nos tempos do Coronavírus: uma crônica dos relacionamentos reinventados

Reinvenção é a palavra do momento. Por conta da pandemia do Coronavírus, estamos vivendo intensas mudanças em todos os setores da sociedade. Nossa forma de trabalhar, estudar e até namorar não é mais a mesma de antes. Por isso,  The Optimum Post by Koobi Kombucha convida você para uma reflexão sobre os relacionamentos nos tempos da pandemia.

A era do amor digital

À primeira vista, parece que ficou mais difícil se relacionar com alguém – principalmente alguém “novo” –  quando a recomendação é o distanciamento social. Porém, quando olhamos mais de perto, percebemos que a necessidade do contato com outras pessoas pode encontrar novas maneiras de acontecer.

É verdade que essas adaptações do nosso comportamento em tempos de coronavírus se produzem, em grande parte, graças à tecnologia. Ela nos permite estabelecer conexões com pessoas que estão do outro lado do mundo num piscar de olhos. Se anteriormente já estávamos acostumados a permanecer online, agora essa tendência se intensificou. E com isso, apesar dos desafios, as conexões amorosas não param.

coronavírus-1

Assim, não é à toa que aplicativos como Tinder bateram recordes de downloads, swipes e tempo de conversa no mundo todo. Além de passarem mais tempo conectados, os usuários também estão ainda mais dispostos a flertar, conversar e conhecer outras pessoas, embora ainda não possam encontrá-las pessoalmente.

Aliás, até para isso eles tem a solução: os “web dates”, que nada mais são do que encontros online, feitos por videochamada.

coronavírus-2

Existe um aplicativo pra tudo

E a tecnologia também é a responsável por aproximar os casais que moram em casas separadas, mantendo o amor no ar e os corações conectados.  Quando chega aquela data especial e a saudade bate, a melhor solução tem sido mandar agrados por delivery. E quando dá a vontade de ver um filminho juntos para aqueles que têm que viver separados agora, é possível usar a extensão Netflix Party que conta com a função de play simultâneo e chat para comentários.

Entretanto, quando o assunto é sexo à distância, há quem aposte na troca de fotos picantes, na boa e velha webcam para esquentar as coisas e até —  para os adeptos das mensagens —  no “sexting“.

É claro que nada substitui o contato físico, mas é como diz o ditado: “quem quer, dá um jeito”.

Uma vez que estamos sujeitos à distância, ficamos mais introspectivos, não só devido a todos os acontecimentos decorrentes do Coronavírus, mas também porque temos o desafio de lidar com uma nova perspectiva da pessoa amada. Tanto a distância quanto o convívio mais intenso são novas imposições que têm impactado as relações amorosas…

Muitas vezes, essas “novidades” nos fazem repensar o rumo de nossos relacionamentos… E, quando eles se provam essenciais em nossas vidas, vamos procurando novos jeitos de marcar presença e demonstrar afeto.

 

coronavírus-3

O diálogo pode ser um grande afrodisíaco

A verdade é que poucos relacionamentos sobrevivem nos tempos de pandemia sem o diálogo. Se ele já era essencial antes, agora então…

Na distância, ele reforça a proximidade. No convívio do dia-a-dia, ele ajuda a aliviar tensões e a estimular novos interesses.

Então, com mais tempo juntos, muitos casais estão entrando na onda do (re)conhecimento através da conversa e têm se surpreendido positivamente com os resultados. Não se trata de fazer uma “DR” todo dia, mas de resgatar a curiosidade de um pelo outro.

Você se lembra como esse interesse mútuo era excitante no começo do relacionamento? Recuperar essa sensação pode ser uma grande oportunidade de energizar uma relação, e mesmo um verdadeiro afrodisíaco.

Tempos de novas descobertas

Se perguntarmos aos casais que estão enfrentando a distância e a saudade na quarentena, certamente eles vão dizer que têm inveja da rotina de quem está “quarentenado” junto. Há mesmo aqueles que tomaram a decisão de começar a vida à dois em plena pandemia.

Porém, os pombinhos que já vivem juntos  há mais tempo estão estabelecendo uma rotina totalmente nova. Antes era comum que o casal saísse separado para trabalhar pela manhã e só voltasse a se encontrar à noite – e esse era o único momento  que passava junto. Hoje, a convivência passou a ser de 24 horas por dia. Pode ser intenso…

Para alguns parceiros a quarentena por conta do Coronavírus revelou aquilo que ambos achavam mais fácil em “varrer para baixo do tapete” – e agora é hora de “limpar a casa” para melhorar o  relacionamento. Para outros, essa é a oportunidade perfeita para aprender mais sobre o outro. Essa convivência diária em tempos de Coronavírus está nos fazendo ver de perto as dores e as delícias de passar mais tempo – e até muito tempo – com a pessoa que escolhemos.

coronavírus-5

Dê asas a seus desejos

Mas, no meio disso tudo, podemos aprender que sempre há espaço para renovar o amor (e ele mora exatamente nos pequenos detalhes do cotidiano!).

Embarcando na mesma vibe de (re)conhecimento do parceiro, existem diversas alternativas para quem quer se adaptar aos desafios que  essa nova dinâmica estabeleceu. Conversar sobre assuntos nunca discutidos, cozinhar, repaginar a casa, transar de maneiras diferentes – ou simplesmente transar mais, inventar um novo hobby a dois, escolher um dia na semana para não fazer nada além de descansarem juntos…. as opções são infinitas.

coronavírus-5
Créditos: Mavo

Aliás, se pudéssemos dar uma dica para a convivência a dois na quarentena, seria: ouçam mais suas vontades e abram espaço para elas. Isso trará mais leveza e mais prazer para o dia a dia.

Afinal, o período pelo qual estamos passando já é desafiador por si só. Então, toda oportunidade de enfrentá-lo com uma pitada de amor e carinho é super bem-vinda!

Acesse nosso site para saber como receber a Koobi Kombucha em casa para compartilhá-la com   junto com seu amor, ou enviá-la para quem está longe…

E fique ligado também no Facebook e Instagram  da Koobi para receber novidades e muita informação!

Leave a Reply

Your email address will not be published.